WHAT is genius? Is it not both masculine and feminine? Are not some of its qualities instinct with manhood, while others delight walter_shaw_sparrow_-_women_painters_of_the_world_-_1905us with the most winning graces of a perfect womanhood? Does not genius make its appeal as a single creative agent with a two-fold sex?

But if genius has its Mirandas and its Regans no less than its infinite types of men, ranging from Prospero and Ferdinand to Caliban and Trinculo, its union of the sexes does not remain always at peace within the sphere of art. Sometimes, in the genius of men, the female characteristics gain mastery over the male qualities; at other times the male attributes of woman’s genius win empire and precedence over the female; and whenever these things happen, the works produced in art soon recede from the world’s sympathies, losing all their first freshness. They may guide us, perhaps, as finger-posts in history, pointing the way to some movement of interest; but their first popularity as art is never renewed. Style is the man in the genius of men, style is the woman in the genius of the fair. No male artist, however gifted he may be, will ever be able to experience all the emotional life to which women are subject; and no woman of abilities, how much soever she may try, will be able to borrow from men anything so invaluable to art as her own intuition and the prescient tenderness and grace of her nursery-nature. Thus, then, the bisexuality of genius has limits in art, and those limits should be determined by a worker’s sex.

O QUE é genialidade? Não seria ela tanto masculina quanto feminina? Algumas de suas qualidades não são instintivamente masculinas, enquanto outras nos encantam com a mais sedutora elegância da feminilidade perfeita? A genialidade não atrai por ser um único agente criativo de dois sexos?

Mas se a genialidade tem suas Mirandas e suas Regans, além de infinitos tipos de homens, que vão desde Próspero e Ferdinando a Calibã e Trinculo, a união dos sexos nem sempre é pacífica  dentro da esfera da arte. Algumas vezes, na genialidade dos homens, as características femininas ganham domínio sobre as qualidades masculinas, em outras, os atributos masculinos conquistam espaço e prioridade em relação ao feminino, na genialidade de mulheres e sempre que isso acontece, a simpatia geral por estas obras de arte logo diminui, perdendo todo seu primeiro frescor. Elas podem nos guiar, talvez, como sinalizadores históricos, indicando o caminho para algum movimento de interesse, mas sua popularidade inicial como arte nunca será renovada. Estilo é o masculino na genialidade dos homens, estilo é o feminino na genialidade das mulheres. Nenhum artista homem, por mais talentoso que seja, será capaz de sentir toda a carga emocional a que as mulheres estão sujeitas e nenhuma mulher habilidosa, não importa o quanto tente, conseguirá tomar emprestado dos homens algo tão inestimável para a arte como a sua própria intuição e a cautelosa ternura e graça de sua natureza materna. Desta forma, então, a bissexualidade da genialidade tem limites na arte e estes limites são determinados pelo gênero do artista.

Trecho de: “Women Painters of the World / From the Time of Caterina Vigri, 1413-1463, to Rosa Bonheur and the Present Day”